quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Contas complicadas...

O Vitória não foi feliz na visita ao Vélodrome. A formação orientada por Pedro Martins até entrou bem e chegou a estar em vantagem no marcador, contudo, duas desatenções defensivas culminaram na reviravolta dos franceses e, claro está, num final infeliz para os conquistadores. Contas muito complicadas.

Foto de Vitória Sport Clube.
Foto: Vitória Sport Clube
Os conquistadores alinharam de inicio com: Miguel Silva, Konan, Jubal, Marcos Valente, João Aurélio, Rafael Miranda, Wakaso, Francisco Ramos, Raphinha, Heldon e Rafael Martins. A primeira ocasião de perigo pertenceu ao ponta de lança brasileiro: a passe de Francisco Ramos, cabeceou a bola que ainda tirou tinta ao poste. Pouco depois, foi a vez de Miguel Silva intervir com uma grande defesa a remate de Ocampos. Foi então que ao minuto 17', fruto de um contra-ataque extremamente organizado, os conquistadores chegaram ao golo. João Aurélio correu com a bola, ofereceu-a a Heldon e este tirou um cruzamento com as coordenadas certas para a cabeça de Rafael Martins. Após uma meia hora de jogo bem conseguida, eis que surge o descalabro de forma progressiva... Uma hesitação entre Rafael Miranda e Raphinha permitiu a recuperação de bola por parte dos franceses e um consequente contra-ataque que viria a resultar no golo do empate. Sanson cruzou para a área e Ocampos, livre de marcação, restabeleceu a igualdade com um pontapé de moinho. A formação vitoriana tremeu e foi por pouco que não sofreu a reviravolta logo a seguir, muito por culpa também da ineficácia de Lopez e Abdennour na hora de finalizar em frente ao guardião português. O resultado ao intervalo era justo!
Esperava-se que o Vitória entrasse na segunda parte da mesma maneira como entrou no primeiro tempo. Pura ilusão. Na sequência de um lance de bola parada, e após várias falhas de marcação, Ocampos esteve perto de bisar, mas viu o seu remate esbarrar na trave. Pedro Martins lançou Hélder Ferreira e Texeira para os lugares de Francisco Ramos e Rafael Martins, respetivamente. Substituições que não surtiram qualquer efeito. À passagem do minuto 76', Ocampos descobriu Lopez sozinho na área e o francês consumou a reviravolta. Pedro Martins - que também tem direito a errar - fez uma má leitura de jogo e lançou Celis para o lugar de Rafael Miranda. Uma substituição incompreensível visto que o objetivo era unir forças para ir em busca do empate e não substituir trinco por trinco. Mas ainda houve tempo para o Vitória fazer o seu único remate enquadrado com a baliza em todo o segundo tempo. Wakaso, à entrada da área, esteve muito perto de restabelecer a igualdade, não fosse uma grande defesa com os pés de Mandanda a desviar a bola para pontapé de canto. O resultado não sofreu mais alterações e o conquistadores voltaram a perder pela margem mínima... Uma palavra de apreço para os quase 2000 vitorianos que se deslocaram até Marselha e que se fizeram sentir no apoio à equipa de forma extraordinária.
Um ponto conquistado em três jogos disputados é mau demais para ser verdade. Este poderá ter sido o adeus à Liga Europa. No entanto, matematicamente, continua a ser tudo possível. Para continuarmos a sonhar estamos obrigados a fazer o que ainda não conseguimos nesta fase de grupos, ou seja, vencer (três vezes). Das três partidas que restam disputar, duas serão realizadas no nosso castelo. As hipóteses de seguir em frente começam a ficar cada vez mais reduzidas mas enquanto for matematicamente possível...é legítimo dizer que ainda podemos sonhar. No outro jogo do grupo, o Salzburg venceu por 2-0 na deslocação a casa do Konyaspor, continuando, assim, na liderança do grupo. O jogo do tudo ou nada será disputado no dia 2 do próximo mês quando o Vitória receber a equipa do Marselha. Até lá teremos dois encontros a contar para o campeonato, curiosamente frente aos dois recém-promovidos à primeira liga.

ACONTEÇA O QUE ACONTECER, VITÓRIA ATÉ MORRER!

domingo, 1 de outubro de 2017

Começa a faltar paciência...

Na tradicional e complicada deslocação ao Estádio do Restelo, o Vitória voltou a vacilar e acabou derrotado por uma bola a zero, com um golo solitário de Merlin Tandjigora. Mais uma péssima exibição dos conquistadores...

Belenenses-V. Guimarães, 1-0 (crónica)
Foto: MaisFutebol
A equipa orientada por Pedro Martins alinhou de inicio com: Miguel Silva, Konan, Moreno, Marcos Valente, Víctor Garcia, Rafael Miranda, Wakaso, Francisco Ramos, Raphinha, Héldon e Rincón. Com seis alterações em relação à partida anterior, esperava-se que uma maior frescura física se tornasse num fator que ajudasse à melhoria das exibições. Pura ilusão... Após um inicio de jogo meio adormecido, a equipa de Belém foi a primeira a criar perigo à passagem do primeiro quarto de hora. A cruzamento de André Sousa, Tiago Caeiro obrigou Miguel Silva a uma enorme defesa. No minuto seguinte, foi a vez de Raphinha isolar Héldon também a obrigar Muriel a uma defesa apertada. Cerca de dez minutos depois, eis o primeiro e único golo da partida. Na conversão de um livre direto muito perto da área, Merlin Tandjigora - que poderia ter visto o vermelho direto minutos antes - inaugurou o marcador com um remate exímio indefensável para o guardião português de 22 anos. Até ao intervalo não surgiram mais ocasiões de perigo.
Na segunda parte tivemos um Vitória diferente, apesar de ineficaz. Muito também devido à entrada do estreante Junior Tallo para o lugar de Rincón. Se é verdade que os primeiros 15 minutos do primeiro tempo tinham sido marcados por uma certa monotomia, o primeiro quarto de hora da segunda parte parecia extremamente empolgante em termos de agressividade, tal era a quantidade de faltas provocadas por jogadores da casa que, num curto espaço de tempo, viram quatro cartões amarelos. Constantes paragens numa tentativa de reduzir o ritmo que o Vitória estava a tentar impor. Pedro Martins lançou Sturgeon a substituir Francisco Ramos na esperança de que jogar contra a ex-equipa fosse um incentivo extra, ele que viria a falhar a oportunidade mais flagrante de toda a partida. Pelo meio, Tallo tentou a sua sorte por três vezes, de todas as maneiras e feitios: cabeceamentos, remates dentro da área, remates de fora da área,... Também Raphinha e Moreno foram protagonistas de outras duas ocasiões de golo, porém, nenhum dos dois conseguiu concretizá-las. Rafael Martins entrou nos últimos dez minutos mas não conseguiu criar ou estar no seio de uma jogada perigosa.
Oferecemos 45 minutos de avanço à equipa orientada por Domingos Paciência, melhorámos na segunda parte mas faltou objetividade e critério na finalização. Dos 17 remates feitos, apenas 3 foram enquadrados com a baliza. Nova derrota do Vitória que deixa os conquistadores no 10º lugar com 1/4 do campeonato já disputado, sendo que até temos mais jogos realizados (8) do que golos marcados (7), algo que é incompreensível para uma equipa cujo presidente diz ser a melhor dos últimos anos. Não nos tapem os olhos, a jogar assim parece que ainda andamos em pré-época (se calhar andamos mesmo...). É urgente dar uma resposta já nos próximos jogos! Uma palavra de apreço para as várias dezenas de vitorianos que marcaram presença em Belém a um domingo às 21:30 e que foram incansáveis no apoio à equipa apesar de esta não ter retribuído a atitude em campo. Uma enorme falta de respeito por parte da Liga aonmarcar um jogo para tão tarde, com muito pessoal de Guimarães a sair de Lisboa perto da meia-noite, chegando ao Berço apenas às 4h ou 5h da manhã a um dia de semana.

ACONTEÇA O QUE ACONTECER, VITÓRIA ATÉ MORRER!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Vida complicada

Parece que voltámos ao mesmo. Na deslocação à Turquia, o Vitória foi derrotado pelo Konyaspor por duas bolas a uma, tendo protagonizado mais uma exibição cinzenta.

Foto: OJogo
Em relação ao jogo do passado domingo, Pedro Martins foi forçado a fazer uma alteração no onze, com a entrada de Miguel Silva para o lugar do lesionado Douglas. Os conquistadores entraram muito mal na partida, no entanto, a primeira oportunidade até pertenceu a Heldon com um cruzamento-remate a obrigar à intervenção de Kirintili junto ao poste esquerdo. Cinco minutos depois, Milosevic atirou à barra. A meio do primeiro tempo eis que surge o primeiro golo do jogo. Na sequência de um lançamento lateral, Friday ganhou o duelo a João Aurélio e a bola ficou à mercê de Araz, num lance em que a defesa vitoriana ficou simplesmente a ver jogar, fruto de uma enorme passividade. Ainda antes do intervalo, Heldon fez um remate de fora da área e, na recarga, Raphinha foi autor de um falhanço inacreditável visto que, mesmo com a baliza escancarada, o brasileiro atirou por cima.
O segundo tempo arrancou com duas substituições. Francisco Ramos rendeu Wakaso e Moreno entrou para o lugar de Pedrão que se tinha lesionado num dos últimos lances da primeira parte. A verdade é que os segundos 45 minutos não poderiam ter começado pior. Skubic foi até à linha de fundo e, livre de qualquer marcação de Konan, o esloveno teve tempo e espaço suficientes para fazer um grande cruzamento que levava as coordenadas certas para o cabeceamento de Milosevic. À semelhança da primeira ocasião criada, Heldon voltou a tentar surpreender Kirintili exatamente da mesma forma, porém, o turco não foi na conversa. Ao minuto 74', o cabo verdiano protagonizou um excelente momento individual, foi até à linha de fundo e encontrou Hurtado na área completamente sozinho, reduzindo a diferença no marcador. Já com Hélder Ferreira em campo, esperava-se que o Vitória ainda chegasse ao golo do empate, no entanto, o melhor que a formação vitoriana conseguiu fazer foi um potente remate de fora da área por parte de Francisco Ramos. A reação apareceu mas revelou-se nitidamente tardia.
Os erros defensivos gritantes e a pouca capacidade ofensiva foram as principais causas para esta derrota que poderia ter sida perfeitamente evitada. Já com uma dezena de jogos realizados na presente temporada, torna-se difícil de perceber como é possível ainda nenhum dos nossos pontas de lança não ter conseguido marcar, em contraste com aquilo que foi acontecendo ao longo da pré-época. Com dois jogos realizados na Liga Europa, o Vitória soma apenas um ponto em seis possíveis e o cenário poderá complicar-se ainda mais tendo em conta que os próximos dois jogos serão contra o adversário favorito a vencer o grupo, o Marselha.

ACONTEÇA O QUE ACONTECER, VITÓRIA ATÉ MORRER!

domingo, 24 de setembro de 2017

Eis a prenda de aniversário

O Vitória regressou aos triunfos, bem como às boas exibições, ao derrotar o Marítimo por duas bolas a uma. Apesar de incontestável, os conquistadores suaram muito para garantir a conquista de três pontos importantíssimos frente a uma equipa - candidata à Liga Europa - que, à entrada para a 7ª jornada, tinha 8(!) pontos de avanço em relação à formação vitoriana. Uma boa prenda de aniversário, o 95º, celebrado na passada sexta-feira.

Foto de Vitória Sport Clube.
Foto: Vitória Sport Clube
Em comparação ao "onze" que disputou o derby minhoto, o técnico Pedro Martins procedeu a duas alterações com as entradas de João Aurélio e Héldon para os lugares de Victor Garcia e Rincón, respetivamente. O Vitória entrou a todo o gás e aos 5 minutos já se encontrava a vencer os insulares. Cruzamento de Héldon e Raphinha apareceu solto na área para encostar. O conjunto orientado por Daniel Ramos respondeu na mesma moeda dez minutos depois. Num lance semelhante ao do primeiro golo da partida, Ricardo Valente (ex-Vitória) assistiu Edgar Costa que restabeleceu a igualdade no marcador. Konan tentou redimir-se da má abordagem defensiva na origem do empate e, de fora da área, ainda assustou Charles, sendo que para isso contou com a ajuda de um desvio de Bebeto Machado. Logo a seguir, Raphinha disparou à entrada da área, obrigando o guardião a intervir. As oportunidades iam aparecendo gradualmente, bem como a chuva que se fazia sentir no estádio do Rei. Heldón, após passe de Óscar Estupiñán, ficou na cara de Charles mas não conseguiu marcar. Pouco depois, o número 10 recuperou uma bola junto à lateral esquerda e quis oferecer o golo a Raphinha, porém, o brasileiro atirou por cima.
Após uma excelente primeira parte - talvez a melhor da época - esperava-se que, no segundo tempo, o Vitória desse seguimento ao ritmo que ia apresentando até então, desde que com graus de eficácia mais elevados. E assim foi... Ou mais ou menos. O jogo aqueceu quando, à passagem do minuto 63', Fábio Veríssimo exibiu dois cartões vermelhos diretos - um para cada lado - por supostamente Jubal e Zainadine estarem a trocar palavras menos amigáveis, ainda que sem qualquer tipo de agressões ou coisa que se parecesse. Uma decisão incompreensível. Refira-se que foi o facto de o árbitro de 34 anos ter interrompido o jogo para assistência médica a Ricardo Valente (pela segunda vez) que provocou o desentendimento entre os dois jogadores. Um 10 vs 10 inevitavelmente criava mais espaços, no entanto, Pedro Martins prescindiu da substituição imediata para colocar um central que rendesse Jubal e arriscou com as armas que tinha, jogando apenas com um central de raiz. Após cruzamento de Raphinha, Bebeto esteve perto de fazer um auto golo. Pouco depois, na sequência de um pontapé de canto, Wakaso subiu mais alto para desviar a bola mas Hurtado não chegou a tempo da emenda. O Vitória não desistia e insistia. Heldon, com um cruzamento-remate, obrigou Charles a defender para canto. E foi precisamente através desse lance que os conquistadores chegaram ao 2-1. Cruzamento de Raphinha, desvio de Fábio China, e junto ao segundo poste apareceu Heldon no sitio certo e à hora certa. A intensidade que o Vitória colocou no jogo foi baixando, fruto do golo alcançado. Nesse sentido, Marcos Valente substituiu Heldon e Hélder Ferreira entrou para o lugar de Hurtado. Até ao final do jogo, destaque para uma grande oportunidade (mais uma) de Raphinha e, já em tempo de descontos, Eder Bessa atirou ao poste na conversão de um livre direto.
Ambos os clubes celebraram o seu aniversário ao longo da semana, mas só um é que teve direito a prenda de aniversário, sendo que os conquistadores dispuseram de quase uma dezena de oportunidades, mas apenas converteram duas. Na antevisão ao encontro, Pedro Martins afirmou que a equipa precisava de revelar maior rapidez e consistência na circulação da bola e isso foi colocado em prática desta vez. Começam a faltar palavras para descrever os vitorianos. Hoje foram 18 mil os espectadores presentes no estádio que, mesmo debaixo de chuva, empurraram a equipa para a glória de uma forma incrível. As pessoas normais tentam abrigar-se da chuva, mas as claques do Vitória fogem à regra, dado que na segunda parte "avançaram no terreno" - naquilo que diz respeito à extensão da bancada do topo sul - de modo a ficarem uma boa parte do jogo debaixo de chuva (sendo que antes estavam protegidos da mesma) dando ênfase ao célebre cântico "E a chuva para nós é sol". Não há amor como este! Em jeito de conclusão, triunfo sofrido, mas tão justo quanto incontestável ao rubricar uma exibição sólida, segura e pragmática, com doses de injeção de moral, e com o regresso aos triunfos antes de mais uma jornada europeia.

E OH VITÓRIA VAMOS A ELES!

domingo, 17 de setembro de 2017

Sem ideias...

Quatro épocas depois, o Vitória voltou a sair da Pedreira sem pontos. A formação da casa venceu o derby minhoto por duas bolas a uma, ultrapassando, assim, os conquistadores na tabela classificativa.

Foto de Vitória Sport Clube.
Foto: Vitória Sport Clube
Em relação ao jogo de quinta-feira,o técnico Pedro Martins decidiu alterar apenas uma peça do puzzle com a entrada direta de Óscar Estupiñán no onze inicial, substituindo o ponta de lança Texeira. A primeira oportunidade de golo até pertenceu ao Vitória, uma boa combinação entre Hurtado e Raphinha quase que resultava em golo, porém, o remate do brasileiro saiu ao lado. Na resposta, Danilo isolou Hassan que, na cara de Douglas, não revelou pontaria afinada. A formação vitoriana ia revelando alguma dificuldade em aliviar a bola para longe da sua zona defensiva, de modo a bloquear a maior insistência bracarense. A meio da primeira parte, Sequeira cruzou para a área e Paulinho apareceu nas costas de Konan, cabeceando para o fundo das redes. Devido à necessidade de ir em busca do empate, o Vitória começou a arriscar mais e ia crescendo aos poucos. Quinze minutos depois do golo inaugural da partida, Hurtado descobriu Raphinha solto no corredor esquerdo, o extremo de 21 anos conduziu a bola até à grande área com alguns dribles pelo meio e essa iniciativa individual acabaria por resultar no golo do empate, com a bola a passar por baixo do corpo de Mateus, mesmo com um ângulo de remate já apertado. Quando se pensava que o jogo chegaria ao intervalo com uma igualdade a uma bola, eis que aparece Hassan antecipando-se a Jubal - já para além dos 45' - a cabecear para o 2-1. Dois golos sofridos devido a duas péssimas abordagens defensivas ao jogo aéreo dos arsenalistas.
À semelhança da partida anterior, o Vitória voltava a sofrer um golo à beira do intervalo que viria a revelar-se determinante e crucial relativamente ao resultado final, bem como à exibição no segundo tempo. Os conquistadores tentaram reagir mas sem poder de fogo, mais uma vez... O ritmo de jogo da segunda parte baixou consideravelmente em relação aos primeiros 45 minutos. As bolas paradas foram ganhando uma maior preponderância colmatando a falta de lucidez que se fazia notar de parte a parte. Na sequência de um livre direto, Paulinho esteve perto de bisar. Cinco minutos depois, foi a vez de Hurtado também tentar assustar a baliza contrária após a conversão de uma bola parada. Já com Heldon em campo - que tinha substituído Rincón logo após o intervalo - foi a vez de Kiko render Wakaso, de modo a tentar dar alguma frescura ao ataque vimaranense. O desgaste físico começava a pesar e o Vitória não conseguia levar perigo à baliza de Mateus, além disso, quando o tentava fazer, não revelava qualquer objetividade no último terço do terreno. Sem ideias, sem soluções, perante um Braga muito organizado na zona central a bloquear todas as tentativas de saídas para o ataque. A poucos minutos do final, Pedro Martins arriscou tudo o que tinha e Konan acabou por ser substituído por Rafael Martins. Na sequência de um pontapé de canto, Pedrão fez o único remate à baliza do Vitória em todo o segundo tempo com a bola a ir à figura do guardião Mateus. Os conquistadores não mais ameaçaram e acabaram por sair derrotados da Pedreira, algo que já não acontecia desde janeiro de 2014.
O golo à beira do intervalo - repetindo-se o filme de há três dias atrás - acabou por ser crucial naquilo que seria a reação vitoriana nos segundos 45 minutos. A forma como as equipas iriam abordar o restante jogo seria, obviamente, diferente. O resultado acabou por ser o mais justo, justificado pela maior consistência da formação da casa perante um Vitória sem ideias e sem soluções para colmatar o desgaste físico que se fez sentir durante a partida. Na flash-interview, Pedro Martins referiu um lance ao minuto 18' - entrada de Mateus sobre Óscar Estupiñán fora da área nas barbas do árbitro - no qual o VAR não interviu. Houve falta e a sanção disciplinar podia muito bem ir além de um simples amarelo. Porém, nem o árbitro, nem o VAR ajuizaram o lance em causa e isso foi motivo de queixa do nosso treinador, ainda que não seja totalmente coerente justificar a derrota com esse lance, sobretudo devido à nossa exibição... Voltou a ficar provado que, neste momento, não temos futebol para lutar pelo 4º lugar. Resumindo e concluindo, o Braga foi melhor dentro de campo e mereceu a conquista de três pontos. Fora das quatro linhas, destaque para o apoio dos mais de 2 mil vitorianos que marcaram presença na Pedreira e que se fizeram ouvir durante todo o jogo, mesmo em desvantagem no marcador, protagonizando um autêntico festival! Uma verdadeira goleada nas bancadas. Contudo, como todos sabemos, não são os adeptos que ganham jogos... No próximo domingo recebemos o Marítimo e é urgente regressar aos triunfos, não só para recuperar os índices de confiança, mas também porque vamos defrontar um candidato europeu que neste momento tem mais do dobro dos nossos pontos, fruto de um mau arranque de época da nossa parte em contraste com o excelente momento dos insulares.

ACONTEÇA O QUE ACONTECER, VITÓRIA ATÉ MORRER!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Duas partes distintas

Na primeira jornada da fase de grupos da Liga Europa, o Vitória não foi além de um empate a uma bola na receção à equipa do FC Red Bull Salzburg.

Foto de Vitória Sport Clube.
Foto: Vitória Sport Clube
A equipa orientada por Pedro Martins alinhou de inicio com: Douglas, Konan, Pedrão, Jubal, Victor Garcia, Celis, Wakaso, Hurtado, Raphinha, Rincón e Texeira. O primeiro remate do jogo até pertenceu aos austríacos, logo aos 15 segundos, o que reforçava a ideia de o adversário apresentar um futebol vertiginoso com excelente capacidade de produção e profundidade ofensiva, preocupando-se mais em atacar do que a defender. Aproveitando um contra-ataque veloz, Raphinha tentou a sua sorte de fora da área. Pouco depois, o extremo brasileiro obrigou Walke a uma grande defesa após um remate bloqueado de Rincón. O Vitória ia pressionando com objetividade e foi na sequência de uma bola parada que Pedrão, a passe de Hurtado, cabeceou para o fundo das redes inaugurando o marcador. Estava feito o primeiro golo da partida que fez surgir o vulcão do Estádio D.Afonso Henriques. A partir desse momento, a intensidade baixou. Na sequência de um livre direto, Berisha obrigou o guardião Douglas a uma defesa apertada. A equipa do Red Bull Salzburg tentava ganhar asas, no entanto, um Vitória extremamente organizado e controlador ia impedindo que o adversário se aproximasse da baliza vimaranense. Mas não por muito tempo. Mesmo em cima do intervalo, Diadié fez um passe longo para as costas da defesa encontrando Berisha, claramente oportuno, a restabelecer a igualdade. A chave do jogo estaria ali e seria decifrada na segunda parte até porque aquele murro no estômago teve repercussões que alteraram, por completo, o rumo do jogo.
No segundo tempo, o Vitória ficou nos balneários literalmente. Sem capacidade de construção ofensiva, a formação vitoriana mostrou-se sempre intranquila, desorganizada e desligada do jogo. Ainda nem tinham decorrido quinze minutos e Pedro Martins já tinha procedido à primeira alteração, lançando Kiko para o lugar de Hurtado. Pouco depois foi a vez de Rincón dar lugar a Héldon. Os últimos 20 minutos evidenciaram um desgaste físico na armada vitoriana que sentia cada vez mais dificuldades para levar perigo à baliza adversária, já para não falar das constantes ofertas de bola em zonas proibidas do terreno. Nesse sentido, e a poucos minutos do final, Rafael Miranda rendeu o médio Wakaso. O austríaco Wolf apareceu sozinho à entrada da área e foi protagonista da melhor oportunidade da segunda parte, ainda que Dabbur e Berisha também tenham estado perto de traduzir oportunidades em golos. Na reta final, Heldon e Jubal apareceram em zona de finalização, em lances distintos, mas nem um nem outro conseguiram assustar o guardião Walke. Uma segunda parte paupérrima, sendo que para amealhar um ponto, os conquistadores tiveram que sofrer...e muito. O Vitória apresentou-se de inicio sem qualquer jogador europeu e isso mereceu destaque por parte da imprensa inglesa, como sendo algo inédito em contexto de competições europeias.
Por um lado, o ponto conquistado é saboroso. Por outro, também nos parece legítimo dizer que sabe a pouco. Ora, à semelhança do jogo anterior, o resultado até foi melhor do que a exibição, contudo, também não deixa de ser verdade que era importante começar a fase de grupos com um triunfo, ainda para mais a jogar em casa. Não obstante a isso, é certo e sabido que o nosso adversário - bem como os restantes do grupo I - dispõe de recursos (principalmente financeiros) diferentes dos nossos, tal como objetivos internos completamente distintos. Ainda assim, se queremos realmente discutir um dos dois primeiros lugares, não nos podemos deixar amedrontar na nossa fortaleza. Caso contrário, a tarefa fica ainda mais complicada. A nossa época iniciou-se há cerca de seis semanas - com 7 jogos realizados - e já foram utilizados 26 (!) jogadores, o que ilustra bem o que tem sido a necessidade de experimentar peças novas para que o puzzle roce a perfeição, algo que parece estar longe de ter êxito num futuro próximo. No outro jogo, o Marselha recebeu e venceu o Konyaspor por 1-0, sendo agora o líder isolado do grupo.

E OH VITÓRIA VAMOS A ELES!

domingo, 10 de setembro de 2017

De volta aos triunfos!

Precisamente um mês depois, eis o regresso do Vitória aos triunfos. No duelo frente aos axadrezados, um golo do estreante Sebastián Rincón foi suficiente para a conquista de três pontos importantíssimos.

Foto de Vitória Sport Clube.
Foto: Vitória Sport Clube
Os conquistadores apresentaram-se em campo com um onze bastante renovado, isto porque Pedro Martins alterou sete peças do puzzle em relação à jornada anterior. O Vitória alinhou de inicio com: Douglas, Konan, Pedrão, Jubal, Victor Garcia, Wakaso, Kiko, Sturgeon, Raphinha, Rincón e Rafael Martins. O nervosismo e a ansiedade apoderaram-se da formação vitoriana durante o primeiro tempo de um jogo de rivalidade histórica. A equipa orientada por Pedro Martins pressionou e conquistou vários pontapés de canto, no entanto, não surgiam ocasiões de perigo - as tentativas de Pedrão e Kiko não assustaram Vagner - perante um Boavista muito organizado. Talocha foi o autor da única oportunidade de golo, após passe de Kuca e já dentro da área, obrigou Douglas a uma defesa apertada. Apesar dos 68% de posse de bola , a verdade é que o Vitória - com pouca fluidez no seu processo de jogo - não revelava objetividade a nível ofensivo, sendo que a falta de entrosamento foi bem notória em alguns momentos da partida. Um problema que poderia ter sido resolvido durante a pré-época se os reforços tivessem chegado mais cedo....
A segunda parte trouxe-nos um Vitória diferente. Sturgeon passou completamente ao lado do jogo e, nesse sentido, Hurtado entrou para o seu lugar. Logo a abrir o segundo tempo, Kiko rematou de primeira, de fora da área, com a bola a embater na barra da baliza de Vagner. Na resposta, Renato Santos obrigou o guardião Douglas a defender para canto. À passagem do minuto 65'. após uma combinação bem delineada na esquerda, Raphinha apareceu solto na grande área e serviu Rincón que estava no sítio certo para afastar os fantasmas do Estádio D.Afonso Henriques, onde estiveram cerca de 18 mil espectadores. Depois do golo, o colombiano quis fazer mais. Após um grande lance individual, tentou assistir Rafael Martins para o golo que sentenciaria a partida, porém, o brasileiro atirou por cima. Rincón e Kiko acabariam por ser substituídos, na reta final da partida, por Héldon e Rafael Miranda, respetivamente, e o resultado não mais se alterou. A importância do triunfo foi patente na reação de Douglas após o apito final.
Não foi uma exibição brilhante, mas o resultado dará certamente uma injeção de confiança ao plantel que, nas palavras de Júlio Mendes, teve um investimento de 13 (!) milhões de euros... Os estreantes (Wakaso, Victor Garcia e Rincón) acrescentaram qualidade à equipa. Ao que parece, o nosso setor defensivo já se tem apresentado mais estável, após dois jogos consecutivos sem sofrer golos. Na próxima jornada há derby do Minho, mas antes recebemos o Salzburg num jogo a contar para a fase de grupos da Liga Europa. Em jeito de conclusão, um triunfo moralizador, cujo resultado acabou por ser melhor do que a exibição em si.

E OH VITÓRIA VAMOS A ELES!